top of page
  • Kelly Ruivo

Simbólico para Lacan.

Atualizado: 16 de dez. de 2022



Já dizia Lacan: "Somos seres falantes, mas antes disso falados".

É com esta citação que Lacan vem desenvolver a estrutura do simbólico, que para ele é a marca que nos é registrada antes mesmo que saibamos a que ela se refere, mas que tomamos como nossa.

Para exemplificar esta questão, uso o nosso nome como exemplo, o nome que nos foi dado e que tomamos como próprio e que de próprio não tem nada, mas é por meio dele que nos identificamos e nos nomeamos.

Tendo como base este exemplo, podemos aqui então questionar sobre o que o simbólico pode ou não falar sobre nós e mais do que isso, podemos pensar que este, como Lacan mesmo diz antecede a nós.

Trazendo para a setting, podemos pensar que aquele que chega para a análise tem em si um discurso simbólico ao qual se apresenta, tal discurso por ele apresentado não é de sua compreensão, mas fruto das relações as quais ele foi atravessado.

Em um de seus textos, Lacan vem citar a história do "Escravo Mensageiro", que enquanto dorme tem uma mensagem tatuada em sua cabeça, em uma língua a qual ele desconhece, mas que dali em diante ele se torna portador. A citação desta passagem por Lacan nos faz refletir que tal mensagem está gravada em um local difícil de ser acessado e que tal qual ela não é compreendida. Podemos aqui ver uma alusão ao inconsciente de que Freud nos fala.

É interessante pensarmos que para que esta mensagem seja lida e compreendida ela precisa ser lida por outro. É neste momento que entra a função do analista como aquele que consegue ver a mensagem de difícil acesso e a traduz em alguma proporção.

Com a compreensão desta mensagem, o sujeito dono do discurso começa se a ver com as marcas que o faz ser quem ele é ou pelo menos pensa ser, pois na medida que a análise acontece é que ele é capaz de despertar, fazendo com que possa se deparar com as marcas que estão em si à sua própria revelia, com isso podemos então entender o que Lacan nos diz quando fala, que somos seres falantes, mas antes disso falados.



Autor: Kelly Ruivo, formação em psicanalise pela EPC, graduada em Administração pela UMESP.

  • Instagram
  • Facebook
  • LinkedIn
  • YouTube
bottom of page